Muricy Ramalho e Caio Ribeiro comentaram o que esperam do Gre-Nal 413

203

Os colunistas Caio Ribeiro ex-jogador do Grêmio, e Muricy Ramalho ex-treinador do colorado, agora comentaristas dos canais Sport TV, falaram na Radio Gre-Nal sobre o que esperam do clássico  deste domingo.

Muricy Ramalho: “A ansiedade na semana Grenal é uma coisa impressionante, a semana toda de trabalho é em função do nervosismo do jogo”.

“Os dois times chegam muito iguais para este Grenal. Normalmente, um chega mais forte que o outro, mas neste caso não. É um Grenal, não importa momento e nem o campeonato. Aquele time que quiser mais, vai levar a vitória”.

“A arbitragem de vídeo tem que estar bem preparada. Na Copa das Confederações, deu muita confusão, algo normal, pois estava começando. É uma coisa nova, que precisa de mais testes para se comprovar a importância da tecnologia”.

“Esses dois times estão jogando juntos desde o início de ano. Já se sabe os jogadores e formações, se tiver mudanças, serão coisas pequenas. Na minha época, se estendia uma lona no Beira-Rio para que não pudessem ver os treinamentos”.

“O que mais os treinadores trabalham nas vésperas de jogos são as bolas paradas. Qualquer detalhe que aparece nas imagens da televisão é passado aos jogadores nos treinamentos”.

“Os dois clubes estão praticando um futebol diferente do que se via no Sul, de muita pegada e força. As equipes não estão ‘quebrando a bola mais’, mas é Grenal, nervosismo muito grande”.

“Tenho visto os jogos do Inter, que sai jogando lá de trás, tocando a bola, sem rifar ela”.

“É importante demais jogar um Grenal em casa, com a sua torcida, vestiário e campo”.

“Quando cheguei no Inter, meu 1º clássico foi no Olímpico, em um clássico com muitos garotos, pois o clube não tinha muito dinheiro. O Grêmio, na época, muito forte e experiente. Saímos perdendo, mas conseguimos virar a partida”.

Caio Ribeiro: “Um jogo de camisas tão pesadas dificilmente tem um favorito, mesmo que eu veja a equipe do Grêmio um pouco melhor ainda. O #Inter segue no processo de reestruturação. A semana de um clássico Grenal é diferente, mexe com o estado inteiro. Só se fala nisso”.

“Vejo este jogo com mais estímulo para o Inter, pois o Grêmio não começou dando muita atenção ao Gauchão e está com mais ‘gordura’ junto ao torcedor. O Inter, na reconstrução, pode eliminar o rival”.

“Lembro de um clássico espetacular do Danrlei. Naquela época, 2002 e 2003, tinha um Grêmio forte, mas com o Inter vencendo títulos. Aquele Inter do Muricy era muito difícil de ser batido”.

“É um jogo diferente, cheio de rivalidade, que trato como um dos grandes momentos da minha carreira. Não só por ter jogado no Grêmio, mas por respeitar muito o Inter também, um time campeão do mundo”.

“É a oportunidade do Inter de tirar um ‘sarro’, e os torcedores poderem falar que eliminaram o grande rival na competição”.

“Você vive intensamente esta rivalidade Grenal. É Grêmio e Inter, Inter e Grêmio. O grande diferencial é ter as duas grandes maiores torcidas e forças do estado”.

“Não vejo uma convocação da Seleção Brasileira sem o Pedro Geromel. Por tudo o que fez na temporada passada, pela Libertadores e pelo Mundial. São 3 jogadores (Geromel, Luan e Arthur) que estão sempre no radar. O Geromel me parece uma certeza desta convocação, seria uma decepção não tê-lo”.

“Que seja um grande jogo (Grenal), com o Rio Grande do Sul dando exemplo a outras praças e as torcidas assistindo ao jogo juntas, com respeito e paz”.

Fonte: scinternacional.net