Titulares do Inter vão para quatro jogos em 11 dias, sendo três Gre-Nais

114

Confesso que me surpreendi quando veio a notícia de que o Inter entrará com força máxima nesta quarta-feira, no Paraná, contra o Cianorte, pela Copa do Brasil.

Com a vantagem sólida construído no 2 a 0 em casa, imaginei que o caminho fosse poupar jogadores para o Gre-Nal de domingo, na Arena, o primeiro das quartas de final do Gauchão.

É que o Grêmio descansará no meio da semana. Fez três jogos de três em três dias (Juventude, São Paulo-RG e o Gre-Nal do último domingo). Em parte do segundo tempo, a intensidade caiu no Beira-Rio, e por pouco um Inter reorganizado e mais forte não alcançou o empate.

Renato chegou a tirar Jael em nome de Michel, para se segurar lá atrás. O Cianorte vem de vitória sobre o Maringá e vive bom momento no Estadual, além de ter a volta de alguns titulares. O Inter não quer arriscar a classificação, até porque ganhará R$ 1,8 milhão se passar de fase.

A Copa do Brasil é o título nacional possível de conquistar para a equipe por enquanto muito bem construída por Odair Hellmann. Comprendo. Mas há risco. Por isso vejo uma dose de coragem na decisão de escalar titulares em meio aos Gre-Nais.

É difícil manter a corda esticada nesta maratona de quatro jogos em 11 dias, e a intensidade é uma das premissas do modelo de jogo de Odair, com troca de passes, movimentação e empenho na recomposição.

Os reflexos do uso dos titulares em Cianorte, se de fato todos saírem jogando, podem aparecer no Gre-Nal da Arena, domingo. O Inter está acreditando em sua preparação física, que por enquanto de fato vem sendo destaque na temporada colorada.

Para matar dois coelhos com uma só cajadada, como se diz, o ideal seria o Inter encaminhar cedo a vitória no Paraná e, a partir daí, poupar nomes como D’Alessandro, Dourado ou Patrick.

Se Iago se lesionar, quem será o lateral-esquerdo no clássico, uma vez que Uendel ainda não tem condições?  E no caso dos zagueiros, Klaus e Moledo? A reposição ainda não está à altura.

Enfim: o Inter está sendo corajoso ao escalar titulares contra o Cianorte dias antes de enfrentar uma equipe entrosada, confiante e descansada como o Grêmio. Mesmo que a preparação física, comandada por Cristiano Nunes, seja muito boa. O Inter tem terminado os jogos em cima do adversários, com mais fôlego.

Fonte: Gauchazh   Texto: Diogo Olivier